Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2017 -   2018 Avançar
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
SENAI

Notícias

Especialistas afirmam que CT&I podem ajudar na recuperação econômica do país

O uso da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) na recuperação econômica do país esteve em pauta durante a abertura da 16ª Conferência de Inovação da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), que começou ontem (31), em Belo Horizonte. O evento faz parte da Feira Internacional de Negócios, Inovação e Tecnologia (Finit), que vai até o dia 04 de novembro.

 

Para os participantes da Conferência, num cenário de início de recuperação econômica, a pesquisa e a inovação são importantes para estimular a criação de empregos. Segundo o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTI, Álvaro Toubes Prata, os investimentos em CT&I são essenciais para melhorar a competitividade do país. “Priorizar esses três temas ajuda a elevar o desenvolvimento a competitividade nacional. Temos visto que há uma revolução em curso sobretudo conduzida pelos jovens, que nem sempre são incomodados com pessimismo”, declarou.

 

No entanto, o presidente da Anpei, Humberto Luiz de Rodrigues Pereira, reclamou dos entraves no sistema que impedem o país de investir mais na inovação. “Precisamos promover, de alguma forma, a soltura de amarras na criação de laços de cooperação”, disse ele, “Estamos atravessando uma transformação tecnológica profunda que afeta e afetará nossos sistemas produtivos. O que acontece depois? Em que ponto a gente perde a vontade de fazer diferente e vencer desafios?”, questionou.

 

O secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais, Miguel Corrêa Júnior, defende que o Estado estimule o desenvolvimento dessas empresas em duas etapas: a conexão entre as universidades e as startups e a articulação delas para venderem soluções a médias empresas.

 

Segundo ele o estado de Minas Gerais tem 300 agentes que buscam novas startups, negócios e oportunidades de empreendedorismo.” Aconselho aos empresários médios que ouçam as startups. Essa turma não quer contratos grandes, mas oportunidades de trabalho. As ações são simples”, afirmou.

 

 

 

(Agência Abipti – 01/11/2017)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE