Rio de janeiro
Agenda Inovação Junho -   Julho    -     Agosto   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
SENAI

Notícias

Pequenas empresas terão linha de crédito para atuar na Europa

As pequenas empresas dos setores de calçados, móveis, cosméticos, frutas processadas e metalmecânico apresentam maiores possibilidades de internacionalização imediata, dentro do Programa de Apoio à Inserção Internacional das Pequenas e Médias Empresas Brasileiras (PAIIPME), firmado pelo país com a União Européia. Esses setores vêm ganhando espaço no mercado interno e mostram chances de partir para uma atuação no mercado europeu, de acordo com avaliação da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). O PAIIPME é executado pela ABDI, o órgão gestor da nova política de desenvolvimento produtivo brasileiro, anunciada no dia 12/05 pelo governo federal.

 

A avaliação sobre o potencial desses setores foi feita pelo gerente da área de projetos da ABDI, Geraldo Nunes, coordenador do PAIIPME. Ele esclarece que não há, contudo, nenhum impedimento para que empresas de outros setores econômicos venham a participar desse processo. "Em princípio, qualquer setor pode participar", afirmou. No momento, apenas grandes empresas, como a mineradora Vale, a Petrobrás e a Embraer, possuem atuação no exterior, através, inclusive, da criação de subsidiárias internacionais. Nunes deixou claro, porém, que o conceito de internacionalização é mais amplo do que exportar. "O conceito de internacionalização envolve não só exportar. Mas também importar, fazer acordos de parcerias com empresas européias para vender para terceiros mercados, para fornecimento de produtos e compra de tecnologia. É um processo mais amplo", disse.

 

O objetivo do PAIIPME, diz Nunes, é dar um impulso na internacionalização, começando pela União Européia. Segundo ele, para isso deverão ser assinados acordos entre pequenas e médias companhias brasileiras e européias e haverá troca de experiências. O gerente da ABDI lembrou que, em termos de exportação, os números disponíveis indicam que 51% do total de empresas brasileiras exportadoras são de micro e pequeno portes e 26% de médias empresas. Em relação à internacionalização, não há dados referentes à participação de MPEs nesse processo.

 

O PAIIPME é um programa de cooperação entre o Brasil e a União Européia criado em 2005. Por razões de ordem burocrática, entretanto, os editais somente estão sendo lançados neste ano. O primeiro deles, com valor máximo de R$ 5 milhões, por um ano e quatro meses de contrato, receberá propostas até o dia 6 de junho. O edital visa à contratação de serviços técnicos especializados e apoio ao programa. Nunes explicou que esse edital compreende a realização de estudos de mercado, formação e capacitação de pessoal e intercâmbio de experiências entre instituições brasileiras e européias na área de internacionalização de empresas de pequeno porte. Esses serviços vão contemplar entidades promotoras da internacionalização, como o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a Agência de Promoção de Exportações (APEX Brasil), a Confederação Nacional da Indústria (CNI), entre outras. "Esse edital de serviços é para uma preparação ao programa", observou.

 

Até o final do mês, outros dois editais serão lançados pela ABDI. Um deles, com valor de cerca de R$ 18 milhões, financiará projetos específicos de internacionalização de pequenas e médias empresas nacionais. Nunes esclarece que esse edital de subvenções prevê contrapartida brasileira de 50%. O terceiro edital visa à compra de equipamentos para o Ministério da Agricultura, o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O objetivo é dotar esses órgãos de instrumentos de certificação modernos para atender à legislação internacional. "É compra de equipamentos mais sofisticados para reforçar a nossa capacidade de análise e até de certificação de produtos". Geraldo Nunes destacou que existe hoje, no mercado externo, uma série de barreiras a determinados produtos, cujo exame é feito até agora somente em laboratórios na Europa. "Então, nós estamos nos capacitando para isso também, além do que já temos de capacidade instalada", informou.

 

A ABDI disponibiliza em seu site o edital para contrato de provisão de serviços técnicos especializados e apoio logístico ao PAIIPME das MPEs brasileiras e recebe as inscrições até 6 de junho, via correio ou em mãos. Os contratos referentes aos editais começarão a vigorar no segundo semestre deste ano.

 

 

(Fonte: Agência Brasil - 14/05/2008)

 

 

Mais notícias de apoio técnico à inovação 

 

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE