Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2018 -   2019 Avançar
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
RETS

Notícias - RETS

Venda de defensivos no ano passado caiu 7%

Dados divulgados pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) indicam que a venda de defensivos no ano passado caiu cerca de 7%, para US$ 8,9 bilhões, contra US$ 9,5 bilhões em 2016 e US$ 9,6 bilhões em 2015.

 

O maior volume de vendas em 2017 foi do segmento de herbicidas, com US$ 3,1 bilhões ou 35% do total (considerando os herbicidas seletivos, para alvos específicos, e os não seletivos). As vendas de fungicidas somaram US$ 2,4 bilhões, ou 28% do total, e as de inseticidas, US$ 2,37 bilhões, 27% do faturamento do setor. O setor cafeeiro gerou apenas 3% na receita, com US$ 246,5 milhões.

 

O principal Estado consumidor do insumo foi Mato Grosso, que demandou 21% de todos os defensivos comercializados no País, no valor de US$ 1,8 bilhão. São Paulo foi o segundo maior comprador de agroquímicos, responsável por 15% das vendas do setor, ou US$ 1,3 bilhão. Na terceira posição ficou o Rio Grande do Sul, com 12% dos negócios, o equivalente a US$ 1,08 bilhão. Paraná, Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul aparecem na sequência do ranking dos Estados onde mais foram vendidos defensivos.

 

 

 

(Fonte: Café Point - 20/06/18)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE