Rio de janeiro
Agenda Inovação Agosto -   Setembro    -     Outubro   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
RETS

Notícias - RETS

Temporão avalia política industrial e tecnológica para a saúde

A expectativa em relação à política industrial e tecnológica do próximo governo para a área da saúde é grande no setor de fármacos e medicamentos. Empresários reunidos no Encontro Empresarial do Complexo Industrial da Saúde, realizado na última sexta-feira (26/11) no Rio de Janeiro pela Associação Brasileira das Indústrias de Química Fina, Biotecnologia e suas Especialidades (Abifina), defenderam a continuidade das ações implementadas até agora. Presente no evento, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, classificou como "vitória" o fato de a saúde ter figurado, em sua gestão, como eixo principal em diferentes políticas de governo, como a Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP).

Segundo o ministro - que ainda não sabe se permanecerá no cargo -, o desafio para 2011 é fazer a presidente eleita, Dilma Roussef, assumir essa visão como prioridade. E lançou uma mensagem tranquilizadora: "Se quisermos colocar no núcleo do poder o conceito do Complexo Industrial da Saúde e potencializar os avanços que conseguimos até agora, Dilma estará aberta para ouvir", sinalizou.

Para Temporão, entre as questões primordiais a serem resolvidas e que ficarão de herança para o próximo governo, estão os altos preços dos medicamentos, a melhor definição da política de compras públicas, a ampliação do acesso pela população e a maior agilidade na aprovação das pesquisas clínicas - ele lembrou que está em andamento um projeto de descentralização da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) com esse objetivo.

Alguns posicionamentos merecem ser mantidos, de acordo com avaliações de representantes do setor. O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães, diz que o governo tem incentivado as chamadas inovações incrementais, que dão base para se desenvolver a capacidade produtiva e a competitividade dos produtos. Ele menciona como sucesso dessa política a constituição de 20 parcerias público-privadas para a fabricação de 25 produtos, que envolvem compras públicas em valor superior a R$ 1 bilhão por ano, que deve levar a uma economia de R$ 150 milhões no mesmo período.

Por meio das parcerias público-privadas, o AZT, a Lamivudina e o Efavirenz - princípios ativos do coquetel anti-Aids - estão sendo consumidos principalmente pelo laboratório público Farmanguinhos. "Acreditamos muito na política atual, que faz com que haja rastreabilidade nos medicamentos e princípios ativos fabricados no Brasil. Esperamos que a política iniciada neste governo continue", afirma Lélio Maçaira, presidente do laboratório farmacêutico privado Laborvida.


(Fonte: Natália Calandrini para Protec Notícias - 29/11/2010)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE