Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2017 -   2018 Avançar
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Desenvolvimento do Brasil depende do fortalecimento da indústria

A agenda do desenvolvimento da indústria e do Brasil deve incluir o aumento da produtividade e a remoção dos obstáculos que aumentam os custos da produção, como as deficiências na infraestrutura, a complexidade do sistema tributário, o excesso de burocracia e a instabilidade do ambiente macroeconômico. Essa é a conclusão dos participantes do seminário Desafios para a Reindustrialização Nacional, realizado pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (7), em Brasília.

 

“O Brasil precisa superar uma das piores crises da sua história e esse é o momento de discutirmos uma agenda para reverter o processo de desindustrialização do país”, afirmou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que preside a Comissão do Trabalho da Câmara.

 

Na avaliação do professor Gilberto Bercovici, da Universidade de São Paulo (USP), a saída para o Brasil retomar o crescimento econômico está no fortalecimento da indústria. “É a indústria que desenvolve produtos e inovações e facilita a mobilidade social”, disse ele.

 

Bercovici disse ainda que o fortalecimento da indústria brasileira depende, entre outras coisas, de políticas de juros e de concessão de crédito que incentivem o investimento das empresas. Também requer uma política energética coerente. Para Bercovici, o Brasil não se desenvolverá exportando apenas produtos primários. “A questão industrial é central para o país”, completou.

 

O gerente-executivo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, lembrou que a indústria tem uma participação de 21,2% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. É responsável por 22,2% do emprego formal, 22% da massa de salários e por 38,1% das exportações.

 

Mesmo assim, ressaltou Castelo Branco, a indústria brasileira é menos relevante para a economia do que a dos países asiáticos, a da Índia e até a da Argentina. “A indústria brasileira tem um tamanho menor do que deveria ter. É menor do que foi há duas décadas”, lembrou o economista. Segundo ele, a indústria brasileira vem perdendo espaço nas exportações e na produção mundial de manufaturados.

 

Castelo Branco explicou que a perda de importância da indústria na economia é uma característica de países desenvolvidos. “Quando a renda da população alcança níveis elevados, a tendência é que a indústria dê lugar aos serviços”, acrescentou. No entanto, no Brasil, a indústria vem perdendo espaço, mesmo sem ter registrado o aumento de renda da população. “O que ocorreu no Brasil foi uma desindustrialização precoce”, afirmou Castelo Branco. Isso, segundo ele, é resultado da perda de competitividade da indústria brasileira, provocada por baixa produtividade, custos elevados, infraestrutura deficiente, baixa qualificação da mão de obra, insegurança jurídica, sistema tributário caro e complexo, elevado custo do crédito e excesso de burocracia.

 

Castelo Branco destacou que o Brasil precisa desenvolver novas políticas para o fortalecimento da indústria. Essas políticas devem estar conectadas com a quarta revolução industrial, chamada indústria 4.0, buscar o aumento da competitividade e aproximar o país da economia internacional.

 

Também participaram do painel Carlos Alexandre da Costa, diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Marina Mattar, coordenadora da Comissão de Relações Governamentais da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

 

 

 

(Fonte: Portal da Indústria – 07/11/2017)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE