Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2017 -   2018 Avançar
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Taxa de desemprego recua para 12,4% no terceiro trimestre

A taxa de desemprego ficou em 12,4% no terceiro trimestre, encerrado em setembro, informou o IBGE nesta terça-feira. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua Mensal. Em agosto, o indicador havia ficado em 12,6%. Ao todo, são 13 milhões de desempregados. Assim como tem ocorrido em meses anteriores, a melhora do mercado de trabalho no terceiro trimestre foi puxada pelo setor informal.

 

A expectativa do mercado financeiro era que o desemprego ficasse em 12,4%, segundo a mediana de 30 projeções compiladas pela Bloomberg. A previsão mais otimista esperava que a taxa caísse para 12,2%. Já a mais pessimista previa alta para 12,7%.

 

A taxa de desemprego chegou a 13,7% no trimestre encerrado em março e começou a cair a partir de abril.

 

No segundo trimestre, encerrado em junho, a taxa de desemprego havia ficado em 13%. O dado do terceiro trimestre, portanto, representa um recuo de 0,6 ponto percentual do indicador. Mas em relação ao terceiro trimestre de 2016, quando o desemprego estava em 11,8%, houve uma alta de 0,6 ponto percentual.

 

Apesar do cenário de retomada do mercado de trabalho, o país ainda está longe de se recuperar completamente. Segundo Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, a média de desempregados do ano passado foi de cerca de 11 milhões de pessoas. Só até o terceiro trimestre deste ano, essa média já está em 13,5 milhões.

 

Nas contas do técnico do instituto, a fila do desemprego precisaria diminuir em 6,5 milhões de pessoas até o fim do ano para que 2017 termine melhor que no ano passado.

 

- Nós temos um contingente expressivo de pessoas desocupadas. A expectativa é se vamos fechar o ano de 2017 com menos pessoas desocupadas do que no ano passado? Não posso fazer previsão, mas posso apontar que tem que reduzir em 6,5 milhões para que na média de 2017 fique inferior ou igual do ano passado - afirmou o especialista.

 

Na comparação com o segundo trimestre, o número de desocupados diminuiu em 524 mil pessoas. Isso significa que a fila do desemprego ficou 3,9% nesse período. Já a população ocupada, formada pelos trabalhadores que estão na ativa, seja formal ou informalmente, cresceu em 1,1 milhão de pessoas no mesmo período, ficando em 91,3 milhões de brasileiros.

 

O setor informal puxou a recuperação do mercado de trabalho, como vem ocorrendo nos últimos meses. Na comparação com o segundo trimestre do ano, o número de trabalhadores com carteira assinada ficou praticamente estável. O contingente encolheu em 31 mil pessoas (ou 0,1%, variação considerada irrelevante estatisticamente), para 33,3 milhões de trabalhadores. Já o grupo dos empregados sem carteira cresceu em 288 mil pessoas, também na passagem entre o segundo e o terceiro trimestre do ano. Isso representa uma alta de 2,7%. Os sem carteira no país já somam 10,9 milhões de trabalhadores.

 

Também houve alta no número de trabalhadores por conta própria, que cresceu 1,8% (o equivalente a 402 mil pessoas) e chegou a 22,9 milhões de pessoas. Enquanto isso, os empregadores (que são os empreendedores que empregam pelo menos uma pessoa), ficaram praticamente estáveis em 4,2 milhões de brasileiros (alta discreta de 54 mil pessoas, ou 1,3%).

 

RENDIMENTO

No terceiro trimestre, o rendimento médio do trabalhador brasileiro ficou praticamente estável, em R$ 2.115. Nos três meses anteriores, essa média estava em R$ 2.108. O valor também teve variação insignificante em relação ao mesmo período do ano passado, quando estava em R$ 2.065.

 

Já a massa de rendimento real, que é um importante indicador sobre o poder de consumo das famílias, cresceu 1,4% em relação ao segundo trimestre, para R$ 188,1 bilhões. Isso significa que os brasileiros tinham no bolso R$ 2,7 bilhões a mais, na comparação com o período encerrado em junho. Também houve um aumento de R$ 7 bilhões (ou 3,9%), em relação ao estimado no terceiro trimestre do ano passado. A massa de rendimento cresce quando renda e população ocupada crescem e é um dos motivos por trás do início da retomada do consumo das famílias, que é uma das apostas para impulsionar a atividade econômica nos próximos meses.

 

Considerando os setores da economia, o aumento das vagas no terceiro trimestre, frente aos três meses imediatamente anteriores, foi puxado administração pública, onde o número de ocupados cresceu em 249 mil pessoas, para 15,8 milhões (variação de 1,6%). O setor de informação e comunicação também registrou forte crescimento, com 241 mil empregos a mais, em relação ao trimestre anterior, para 10 milhões de trabalhadores. Outro destaque foi o segmento de alojamento e alimentação, onde o número de empregados cresceu em 175 mil pessoas, para 5,2 milhões de trabalhadores.

 

De acordo com os dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, o país criou mais de 34 mil vagas com carteira assinada em setembro. Foi o sexto mês em que o saldo entre admissões e demissões ficou positivo.

 

Os dados têm reforçado uma visão otimista do mercado financeiro e da equipe econômica em relação ao mercado de trabalho. Na semana passada, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, chegou a garantir que o número de desempregos no país “vai cair todo mês”.

 

 

 

(Fonte: O Globo – 31/10/2017)

Destaques

Livro Branco da Inovação Tecnológica

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE