Rio de janeiro
Agenda Inovação Outubro -   Novembro    -     Dezembro Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Políticas Públicas e Economia

Notícias - Políticas Públicas e Economia

Juros menor não será suficiente para que indústria retome investimento

A queda dos juros ao mais baixo patamar da história do país ajuda a melhorar o ambiente de negócios no país, mas sozinha não será capaz de restaurar a confiança do setor industrial para a retomada dos investimentos no país. Empresários ouvidos pelo GLOBO citam que, embora a Selic esteja num patamar considerado baixo, o spread bancário (diferença entre o custo do banco para captar e emprestar recursos) ainda faz com que os juros cobrados na ponta de quem toma empréstimos seja elevado.

 

Além disso, é preciso que avancem as reformas da Previdência e Tributária para que o investidor tenha mais confiança no país. Na quarta-feira, o Banco Central reduziu a Selic de 6,5% para 6% ao ano, surpreendendo o mercado, que esperava um corte de 0,25 ponto percentual.

 

"Eu vejo essa queda da taxa de juros de  forma otimista. Trata-se do início de um caminho, que se for bem trilhado, trará benefícios. É importante que isso aconteça para gerar um bom ambiente de negócios, para estimular o consumo e reduzir o custo de captação dos recursos das empresas", observa João Carlos Brega, presidente da Whirlpool, dona das marcas Consul e Brastemp.

 

No entanto, pondera o presidente da Whrilpool, é preciso que as reformas estruturais avancem no Congresso para que o investidor tenha mais confiança no nosso país.

 

O presidente de uma multinacional que atua nas áreas de energia, telecomunicação e gás disse ao GLOBO sob a condição de anonimato que a queda de juros ajuda na retomada dos investimentos.  Mas quando se compara a taxa de juros da Selic com a taxa que é praticada no mercado, os juros ainda são muito altos, diz o presidente da multinacional.

 

"Mas esta não é a razão principal para que as empresas não retomem o investimento. Ainda há falta de regulação em vários setores, falta de legislação, o que acaba inibindo o investidor", diz o empresário.

 

Para Fernando Pimentel, presidente da Associação  Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) a queda de 0,5 ponto percentual é coerente com  o cenário que o Brasil vive hoje, de baixa utilização da capacidade instalada, inflação razoavelmente sob controle e economia que precisa de estímulos para voltar a crescer. Mas o país precisa das reformas estruturais para que o crescimento não seja o 'voo da galinha'.

 

"A taxa de juros é um fator primordial para os investimentos, assim como a disponibilidade de crédito. Mas vamos precisar ter mais reduções à frente, se os fundamentos da economia continuarem estáveis. E é preciso baixar o spread bancário. Mesmo países com inadimplência alta, não têm esse spread.  O mundo está começando a trabalhar com incentivos monetários, e o custo de crédito no Brasil não pode ser impeditivo de um crescimento maior", disse Pimentel.

 

Fernando Figueiredo, presidente-executivo da Abiquim, entidade que representa a indústria química, a redução na taxa de juros é mais um fator positivo dentro de um cenário de medidas que o governo tem promovido para estimular a retomada dos investimentos pelo setor produtivo e crescimento da economia.

 

"Mas a taxa de juros a 6% ainda é alta em relação a outros países e sozinha não é capaz de estimular as empresas do setor químico a retomarem os investimentos. A capacidade ociosa da indústria química brasileira atualmente é de 33% e antes de novos investimentos é preciso aumentar o uso da capacidade já instalada. Para isto, a retomada do consumo é absolutamente essencial e a queda da taxa de juros é uma medida importante para esse objetivo", afirmou Figueiredo.

 

Para a Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) o momento da indústria no Brasil ainda é conturbado. Segundo a entidade, embora os analistas afirmem que haverá melhora das expectativas no segundo semestre com a aprovação da reforma da Previdência e da redução do nível de incerteza, o país tem desafios complexos como o elevado desemprego. E, para combater esse problema, os investimentos são necessários.

 

"A Abimaq defende uma agenda de redução de custos, simplificação tributária, melhora do ambiente jurídico, diminuição do custo de capital e de insumos, entre outras iniciativas. A atividade econômica está fraca e o setor industrial está em uma situação particularmente delicada, com os dados apontando queda em diversos segmentos", diz a Abimaq.

 

Apesar de a queda da Selic não ser suficiente para aumentar a confiança, a retomada do ciclo de corte de juro em um ambiente de menor risco fiscal e otimismo com a agenda de reformas do governo pode ajudar a melhorar a confiança dos empresários e consumidores nos próximos meses, Marcela Rocha, economista chefe da Claritas Investimentos.

 

 

 

(Fonte: Época Negócios - 02/08/19)

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE