Rio de janeiro
Agenda Inovação Novembro -   Dezembro    -     Janeiro Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Fármacos e Medicamentos

Notícias

Novo modelo reduz custo de pesquisa para setor farmacêutico

Uma onda de fusões e aquisições de grandes companhias farmacêuticas despertou as atenções no segundo trimestre. A compra da Wyeth pela Pfizer, a compra da Merck pela Schering-Plough e o negócio da Genetech com a Roche foram manchetes dos jornais por seu potencial de ajudar as entidades resultantes a reduzirem seus custos e aumentar a fila de lançamentos de medicamentos promissores.

 

Mas uma série recente de acordos mais discretos, que sinalizam a colaboração em pesquisas e desenvolvimento - ao invés de aquisições -, aponta o caminho do verdadeiro futuro do setor.

 

A Merck e a AstraZeneca combinaram dois de seus principais produtos em estudo para desenvolver um tratamento inovador contra o câncer, a GlaxoSmithKline (GSK) e a Concert Pharmaceuticals uniram suas carteiras de produtos em desenvolvimento em parte para distribuírem os riscos, e a Pfizer e a GSK combinaram, em uma joint venture, os produtos em desenvolvimento e os já comercializados na área do tratamento contra a AIDS.

 

Esses acordos representam maneiras novas e promissoras do setor fazer sua máquina de inovações funcionar de uma forma mais eficiente. E eles diferem das estratégias de pesquisas e desenvolvimento de longa data, que se concentravam em gastar mais e inovar mais que a concorrência. As companhias farmacêuticas criavam e desenvolviam medicamentos por conta própria, assumindo todos os riscos e colhendo todas as recompensas. Mas esse modelo está se mostrando insustentável.

 

Segundo estimativa da consultoria Bain & Co., um fluxo de caixa anual de cerca de US$ 30 bilhões - metade dos US$ 60 bilhões gastos pelo setor em pesquisa e desenvolvimento - vai se evaporar nos próximos quatro anos, na medida em que as patentes de medicamentos de grandes vendagens forem expirando. Isso deixa o desafio claro: os executivos mais experientes das companhias farmacêuticas serão forçados a fazerem mais com menos capital, com pouca experiência específica do setor a ser explorada. Isso, por sua vez, explica a onda de anúncios de grandes fusões, que muitas vezes servem como esforços para preencher filas decrescentes de lançamentos.

 

Mesmo assim, as fusões normalmente contribuem para uma queda na produtividade das pesquisas e desenvolvimento. Em vez de simplificar e concentrar as pesquisas e desenvolvimento, a administração tende a segurar a maior parte dos medicamentos que estão sendo preparados para lançamento, os ativos físicos e os talentos em pesquisas e desenvolvimento das companhias combinadas - o que torna a tomada de decisões e a alocação de recursos ainda mais difícil. Com os custos de descoberta, desenvolvimento e comercialização de um medicamento hoje superando os US$ 2,2 bilhões, o setor precisa encontrar uma maneira de fornecer um produto inovador a partir de suas linhas coletivas de desenvolvimento.

 

É aí que entra o modelo da colaboração nas pesquisas e desenvolvimento. Em vez de adquirir recursos, uma solução mais sustentável para a indústria está na união, especialmente do capital intelectual e dos recursos financeiros, cada vez mais limitados.

 

Ao agrupar efetivamente os ativos de pesquisas dentro de uma área de enfermidades, o setor se beneficia de três maneiras. Primeiro, os sócios tomam decisões de alocação de recursos muito mais cedo e financiam apenas aqueles projetos que as maiores probabilidades de apresentar diferenças reais em termos de resultados médicos. Por exemplo, em vez de perseguir paralelamente vários programas em estágios finais, os concorrentes podem combinar seus recursos e financiar apenas o candidato mais promissor.

 

Em segundo lugar, essa abordagem vai reduzir o número de produtos duplicados ou semelhantes, muitos dos quais acabam brigando por acesso e indenizações. Finalmente, o novo modelo distribui os riscos - e os retornos - entre os sócios, aumenta a previsibilidade das filas de lançamentos e as receitas no longo prazo.

 

Foram esses os motivos que levaram AstraZeneca e Merck a trabalharem juntas para testar um tratamento experimental contra o câncer, baseado em um "coquetel" de medicamentos produzidos pelas duas. Se a empreitada não der certo, os sócios podem "matar" antes os compostos e assim minimizarem os custos. Se der certo, elas terão um medicamento eficiente e barata.

 

No curto prazo, modelos de negócios mais colaborativos na área de pesquisas e desenvolvimento poderão melhorar os retornos sobre os investimentos nos processos de desenvolvimento de medicamentos (atualmente estimados em 4%, contra os 9% registrado entre 1995 e 2000). Também poderão reduzir os custos, acelerar o tempo até a chegada ao mercado, diluir os riscos e melhorar o potencial de mercado.

 

E mais importante: a colaboração poderá ajudar a reduzir a sobreposição. Em uma série de doenças que se enquadram na chamada medicina familiar, que incluem o diabetes, a hipertensão e o excesso de colesterol, muitas farmacêuticas vêm se concentrando de maneira intensiva nas mesmas oportunidades. A Oncologia é a mais nova área em que essa tendência é cada vez mais aparente. O modelo existente não oferece um meio de racionalização dos investimentos duplicados enquanto os produtos não chegam ao mercado.

 

O resultado é que a oncologia está caminhando para o mesmo ponto em que a medicina familiar se encontra hoje: retornos em queda sobre as pesquisas e desenvolvimento, cenário competitivo sobrecarregado e custos comerciais maiores.

 

O modelo da junção de esforços, por outro lado, muda da base da competição para os últimos estágios do desenvolvimento e comercialização, que é onde estão as forças das grandes farmacêuticas - e libera recursos para serem investidos em um número maior de áreas terapêuticas. Para a Pfizer e a GSK, por exemplo, o universo do HIV era um desafio para seus portfólios individuais. Mas a decisão recente das duas de formarem uma joint venture para se concentrar no desenvolvimento de tratamentos ao HIV cria o melhor de dois mundos. A nova companhia não só funde as linhas de desenvolvimento de produtos voltados para o HIV, como também cria uma proposta comercial muito mais forte ao combinar a experiência de marketing da GSK com os produtos contra o HIV mais robustos nos estágios anteriores, da Pfizer.

 

Nosso sistema de saúde precisa de inovações contínuas, mas a custos menores. Para as companhias farmacêuticas, é hora de evoluir.

 

 

(Fontes: Business Week e Valor Econômico - 04/08/2009)


Notícias relacionadas

 

País terá Centro de Referência em Farmacologia Pré-Clínica
Governo cria centro para apoiar inovação e produção interna. Instituição vai alinhar pesquisas de desenvolvimento de fármacos para atender às demandas do SUS

 

Pfizer deve ampliar em 20% as pesquisas no Brasil
Multinacional americana chega a investir entre 15% e 17% do seu faturamento, de US$ 48 bilhões, em pesquisa. País é incluído entre os dez mais promissores para o laboratório

 

Laboratórios poderão pesquisar vacina contra nova gripe
Anvisa libera laboratórios nacionais credenciados para pesquisar vacina contra a Influenza A (H1N1) a iniciar a produção, sem a necessidade de pedir autorização prévia à agência

 

Recepta: caso de sucesso em inovação aberta
Pequena empresa cria rede de pesquisadores e desenvolve, com recursos da Finep, do BNDES e da Odebrecht, droga que pode controlar câncer já em fase de metástase

 

Outras notícias de inovação em fármacos

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE