Rio de janeiro
Agenda Inovação Abril -   Maio    -     Junho   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Fármacos e Medicamentos

Notícias

Brasil ganha importância estratégica para a Bayer

A Bayer está vendo o Brasil como uma grande oportunidade para crescimento - de novo. Depois de décadas colocando o País numa posição secundária nos seus negócios globais, o grupo alemão ressalta que o Brasil voltou a ganhar mais status nos seus planos de crescimento.

"A América Latina é uma das regiões com grande futuro e o Brasil é um dos países chaves desta estratégia", disse Richard Pott, um dos quatro integrantes do conselho de administração do grupo alemão, que atua nos setores agrícola, saúde e químico e faturou 32 bilhões de dólares no ano passado. Ele é responsável pelos negócios da Bayer nas Américas, África e Oriente Médio.

Numa rápida passagem por São Paulo para reinauguração da sede do grupo, na última sexta-feira, Pott disse que a centenária Bayer teve um destacado papel até os anos 70 no Brasil, mas tirou o pé do acelerador durante as décadas de 1980/1990. "Não fomos embora como outras companhias, mas tivemos atividades menos intensas."

Agora, avalia Pott, a aposta é tornar o Brasil como plataforma global para determinadas atividades do grupo. No início do ano, a Bayer anunciou investimentos de R$ 140 milhões para 2009. O valor engloba a instalação de um centro de farmacovigilância para atender todos os países das Américas, incluindo os EUA.

"É a primeira vez que o Brasil terá uma base global para atender o grupo", disse Horstfried Läpple, presidente e porta-voz da Bayer no Brasil. O centro supervisionará as informações científicas dos medicamentos, empregando uma centena de profissionais até o fim do ano. Segundo Pott, outros projetos desta envergadura deverão vir ao Brasil. Mas ele não revela quais.

A Bayer faturou R$ 3,7 bilhões em 2008, um crescimento de 21% sobre o ano anterior. Com a compra da Schering, a empresa passou a ter três fábricas no país, incluindo a unidade que exporta medicamentos anticoncepcionais para América Latina e Ásia.

A sede administrativa da Bayer no Brasil, localizada no bairro de Socorro, na zona sul de São Paulo, foi reformada para acomodar 400 funcionários englobando todos os seus negócios - a Bayer HealthCare, CropScience e MaterialScience. Uma parte dos empregados é oriunda da Schering.

Richard Pott não vê sinais de recuperação da economia global. "Achou-se o chão, não deve cair mais, mas não tenho a resposta sobre quando ocorrerá a recuperação", disse. Mas ressaltou que a crise não é tão severa em países, como o Brasil e a China, onde se espera um crescimento econômico.

O executivo rebate também as críticas de analistas que a Bayer com um portfólio tão diversificado de negócios deveria concentrar sua atuação - a empresa foi afetada pela crise econômica principalmente por conta de sua divisão química, mas as vendas no segmento farmacêutico evitaram um cenário pior.

Para Pott, a estratégia da companhia é vencedora. "Somos uma empresa de inovação", disse ele, avaliando nas apostas de medicamentos para combate ao câncer e produtos utilizados no segmento de defensivos agrícolas. "A nossa estratégia tem mostrado sucesso no longo prazo", disse.

Aspirina

Segundo Richard Pott, membro do conselho de administração do grupo alemão, a Aspirina, lançada em 1899, é uma das marcas mais identificadas à imagem da empresa. Embora o ácido acetilsalicílico - a substância ativa do analgésico - seja uma commodity, o grupo não põe a marca à venda. "Investimos entre 20 milhões e 30 milhões de euros por ano para descobrir novas aplicações de uso da Aspirina", diz ele, enumerando algumas indicações contra febre, dor de cabeça e efeito anti-inflamatório.

 

 

(Fonte: Valor Econômico - 30/06/2009)

 

 

Notícias relacionadas

 

Bayer e Novo Nordisk firmam parceria inédita no País
Companhias unem forças com produtos para o combate a diabetes. Programa prevê a distribuição gratuita de medidores de glicose e orientação aos pacientes sobre a doença

 

Genzyme fecha parceria estratégica com a Bayer
Laboratório poderá comercializar remédios da Bayer voltados para o tratamento de câncer e esclerose. Acordo também fortalecerá a Genzyme, que pretende crescer 20% até 2012

 

Outras notícias de inovação em fármacos

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE