Rio de janeiro
Agenda Inovação Outubro -   Novembro    -     Dezembro Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
Fármacos e Medicamentos

Notícias

Novartis quer compensação financeira pela vacina

Parece óbvio e até sensato que uma empresa, após gastar milhões de dólares no desenvolvimento de um produto, se recuse a simplesmente doá-lo a quem não tem meios para adquiri-lo. Para a Novartis, porém, a situação é um pouco mais complicada.

A farmacêutica suíça foi a primeira no mundo a desenvolver uma vacina eficaz contra a gripe suína - doença causada pelo vírus H1N1 e que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), já infectou 40 mil pessoas e matou cerca de 170 ao redor do mundo. Ainda assim, afirmou que não vai atender à solicitação de Margareth Chan, diretora-geral da OMS, e distribuir gratuitamente doses da vacina para países pobres.

Segundo o executivo-chefe da Novartis, Daniel Vasella, é importante que haja uma compensação econômica pelo esforço da companhia. "Se o que se quer é uma produção sustentável, é preciso criar incentivos financeiros", disse o executivo na ocasião do anúncio da vacina, no dia 12, um dia após a OMS confirmar que o mundo vive um estado de pandemia. Além disso, de acordo com Vasella, uma parcela "significativa" do medicamento já foi reservada por governos de 30 países. Eis aí, mais uma vez, a equação financeira que assombra a indústria farmacêutica no mundo.

Os laboratórios desenvolvem, a cada dia, drogas mais potentes, mais eficazes e mais caras, mas, por conta disso, menos consumidores têm dinheiro para comprá-las. No caso dessa vacina, segundo a Novartis, o investimento foi similar ao que é feito em drogas novas: US$ 1 bilhão. Se as empresas decidem ignorar apelos como os da OMS, passam a sofrer uma forte pressão da opinião pública e de governos de diversos países. Alguns laboratórios, contudo, já provaram que é possível conciliar os ganhos de receita com o atendimento à população carente.


Outras gigantes do setor já se disseram dispostas a doar parte de sua produção a países pobres, quando tiverem a vacina. A britânica GlaxoSmithKlein (GSK), por exemplo, afirmou que irá doar 50 milhões de doses, o que representa entre US$ 500 milhões e US$ 750 milhões, caso os preços sejam semelhantes aos estimados pela Novartis. Segundo Margareth, essa é uma atitude de "solidariedade" por parte das farmacêuticas.

"A OMS agradece que algumas fabricantes de vacina tenham aceitado doar uma porcentagem de sua produção de vacinas contra a Influenza para serem distribuídas em países em desenvolvimento que não teriam, de outra forma, acesso a elas", diz a organização em nota divulgada. No caso da vacina da Novartis, as perspectivas de lucro são significativas. Só o governo dos EUA já reservou o equivalente a US$ 289 milhões do medicamento.

Com preço estimado pela própria fabricante entre US$ 10 e US$ 15 a dose, esse montante ficaria entre 19,3 milhões e 28,9 milhões de unidades. "Do ponto de vista de negócio, essa é uma enorme vantagem para a Novartis e certamente se traduz num ganho econômico para eles", diz o infectologista Davi Lewi, do hospital Albert Einstein. Segundo ele, a técnica utilizada pela empresa garante uma velocidade de produção muito maior.

Como foi a primeira a lançar o produto e a única, até agora, a utilizar a técnica que reduz o tempo de produção, a Novartis se coloca numa posição de poder ditar as regras - e até ignorar apelos da OMS. Mas, mesmo saindo na frente, a farmacêutica ainda não ganhou a corrida. Sua vacina agora entra em período de teste final para aprovação, especialmente nos EUA.

O governo daquele país, apesar de ter adquirido lotes do produto, se mostra reticente quanto a seu uso. Isso devido a um componente, chamado de adjuvante, ainda não aprovado para uso nos EUA. A vitória da Novartis só estará completa se a autorização sair antes do inverno do Hemisfério Norte. Nesse período, diz Lewi, a disseminação da doença tende a se intensificar, devido às condições climáticas na região.

 

 

(Fonte: Revista Istoé Dinheiro - 20/06/2009)

 

 

Notícias relacionadas

 

Laboratório divulga primeiro lote de vacina contra gripe suína
Novartis anunciou ter conseguido produzir vacina contra o vírus influenza A H1N1 com sucesso. Primeiro lote deve ser utilizado em análises pré-clínicas e testes a partir de julho

 

Brasil defende que inovações contra A (H1N1) sejam públicas
Juntamente com o México, País pede à Organização Mundial da Saúde (OMS) que acesso às tecnologias contra o novo tipo de influenza seja garantido às nações em desenvolvimento

 

Farmacêuticas correm para produzir vacina contra gripe suína
Expectativa é que nova vacina esteja pronta até o fim do ano. Segundo a OMS, importantes produtores de vacinas tinham solicitado amostras de "vírus de tipo selvagem" do vírus H1N1

 

Outras notícias de inovação em fármacos

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE