Rio de janeiro
Agenda Inovação Junho -   Julho    -     Agosto   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Fármacos e Medicamentos

Notícias

Entrevista: "Na época, ninguém acreditou no projeto"

Diretor-presidente do Grupo Hebron, Josimar Henrique da Silva, 57 anos, vice-presidente da Federação Brasileira da Indústria Farmacêutica, tem uma trajetória marcada por desafios. Natural de Palmares, não se intimidou diante das críticas ao instalar, em Caruaru (1990), uma fábrica de medicamentos, hoje um dos mais importantes laboratórios do País. Em entrevista, fala dos novos investimentos.


O que o levou a investir em indústria farmacêutica no interior de Pernambuco?

Josimar Henrique: Três fatores me levaram a fazer esse investimento. Primeiro, eu já tinha bom conhecimento da área, na qual estava trabalhando. A segunda razão é que eu tinha morado muitos anos fora de Pernambuco e havia voltado a morar no Recife. A terceira é que, quando buscamos um local para instalar a empresa, apresentamos um projeto à Sudene, que, por sua vez, oferecia um critério de incentivo fiscal maior para a empresa que se instalasse no interior. Depois, a prefeitura facilitou a logística.

 


Na época, as pessoas acreditaram na proposta da Hebron ou acharam ousada demais?

 

JH: Na época, Pernambuco tinha muitos laboratórios, mas nenhuma se propunha a fazer pesquisas, como nós. Nossa ideia de fazer pesquisas era muito estranha, porque não existia na época. Ninguém acreditou no projeto, nenhum banco oficial apoiou. Só a Sudene, que, quando viu o relato, enxergou na indústria farmacêutica um elemento estratégico.

 


Diante da crise econômica mundial, o senhor disse que 2009 será um ano como qualquer outro.

 

JH: Primeiramente, porque temos trabalhado com projetos de planejamento estratégico. Com eles, trabalhamos todas as áreas da empresa, inclusive as áreas de ampliação no Estado de São Paulo (que representa mais de 35% do mercado farmacêutico brasileiro) e na região Sul, onde temos presença ainda pequena. Essas localidades serão nosso foco nesses próximos dois anos. Por outro lado, a indústria farmacêutica faz um produto de primeira necessidade, as pessoas não podem deixar de tomar sua medicação. Qualquer impacto que houver na economia pouco afeta a indústria farmacêutica.

 


Quanto a Hebron deve investir em pesquisas em 2009?

 

JH: A indústria farmacêutica é uma área que possui uma fonte constante de investimentos. A nossa expectativa é investir R$ 10 milhões neste ano de 2009. O valor corresponde a quatro ou cinco pesquisas que estamos trabalhando e que levam quatro ou cinco anos para serem concluídas.

 


Como deve ficar a presença da Hebron no mercado internacional?

 

JH: Temos uma atividade internacional no Peru, onde já possuímos uma demanda normal para a localidade. Ano passado, trabalhamos em países como o México, a Colômbia e alguns outros da Ásia. A novidade do ano passado foi a abertura da Hebron nos Estados Unidos. Aquele país representa 50% da produção, consumo e venda mundial de medicamentos. Para se ter ideia, o Brasil representa apenas 1,5%. Neste momento, a Hebron passa por um processo de registro sanitário junto ao Food and Drug Administration (FDA), órgão americano que corresponde à Anvisa no Brasil. Demos entrada em 15 produtos para serem analisados e vamos esperar a aprovação. Nos próximos 90 ou 120 dias, esses produtos começam a ser liberados e começaremos a fase de comercialização.

 


As plantas medicinais na cultura popular da região influenciam as pesquisas dos laboratórios Hebron?

 

JH: Nós temos nos nossos produtos alguns cuja matéria-prima é vegetal. Nesses produtos específicos, dois são plantas regionais. Porém, a produção e a pesquisa de produtos farmacêuticos na indústria vão muito mais além do conhecimento empírico que se vê na região. Ele passa por um processo de análise, de trabalhos científicos que são comparáveis aos trabalhos realizados com substâncias químicas. Portanto, vamos continuar fazendo nosso bioma, que é da caatinga, da mata atlântica, e mostra muitas possibilidades, mas continuar com a mesma linha de pesquisa, envolvendo principalmente as universidades.

 

 

(Fonte: Jornal do Commercio/PE - 16/02/2009)

 

 

 

Outras notícias de inovação em fármacos

 

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE