Rio de janeiro
Agenda Inovação Junho -   Julho    -     Agosto   Avançar Voltar 2019 -   2020 Avançar
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08
  • 09
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Apoio Financeiro e Editais

Notícias

Setor de TIC deverá receber R$ 80 milhões da Finep

O chefe do departamento de Tecnologia da Informação da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), André Nunes, revelou que, preliminarmente, a sua equipe já detectou que o montante destinado ao setor de TIC no programa de subvenção econômica - R$ 80 milhões - será repassado integralmente às empresas, mas não adiantou o número final das propostas aprovadas. No total, 319 projetos foram pré-qualificados.

A agência de fomento do Ministério da Ciência e Tecnologia trabalha para manter a divulgação do resultado no dia 17 de outubro. No total, a subvenção econômica de 2008 disponibilizará R$ 450 milhões para apoio a projetos inovadores em todo o País.

 

Com relação ao baixo índice de aproveitamento dos projetos inscritos na área de TIC - foram 1.104 e apenas 319 pré-qualificados, sendo que muitos foram eliminados na fase final de apresentação - Nunes foi taxativo. "A quantidade de erros foi enorme. Houve falhas grosseiras, como preenchimento incorreto de formulário, ausência de dados como balanços contábil e jurídico da empresa, entre outros. Essas propostas foram desqualificadas. Essa é a regra do jogo", destacou Nunes, que participou do Seminário "Empreendedorismo e Inovação", que fechou o Rio Info 2008.

O chefe do departamento de TI da Finep também ouviu críticas ao modelo adotado pela entidade. A maior parte das empresas reclamou da falta de diálogo com a agência e da ausência de regras que venham a favorecer empresas de pequeno porte diante da concorrência com as de médio e grande porte, que terminam ficando com a maior parcela dos recursos.

Nunes admitiu que há, sim, a necessidade de aprimorar o modelo por parte da Finep. Ele lembrou que a edição 2008 é a terceira do programa, o maior do Governo na área de inovação. Mas insistiu: as empresas não podem achar que o Governo vai colocar dinheiro em projetos que não tenham um plano de negócios mínimo.

"Houve projetos em que a proposta à Finep foi simplesmente: me dá o dinheiro que eu resolvo como inovar. Posso citar que na área de TV Digital, por exemplo, recebemos propostas absolutamente fora da realidade nacional e mundial. As empresas precisam esgotar os seus projetos. Entender que dinheiro público não é dinheiro perdido. Se não for assim, não haverá mudança", sustentou.

Nunes garantiu que, na sua área, os funcionários estão trabalhando duro para entregar o resultado final no dia 17 de outubro, mas não quis dizer se haverá algum tipo de postergação por parte da entidade em função das outras áreas contempladas na iniciativa.

A chamada pública do programa de subvenção econômica da Finep para 2008 contempla seis áreas estratégicas, entre elas, Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). O valor mínimo destinado a cada projeto será de R$ 1 milhão, com prazo de execução de 36 meses. Haverá, ainda, uma contrapartida, que ficará entre 5% e 20% do valor total do projeto, no caso de empresas menores, e entre 100% e 200% para empresas de médio e grande portes.

Com relação ao Programa Primeira Empresa (Prime), que está sendo aguardado como o grande projeto de incentivo à inovação para pequenas empresas, a Finep frustrou as expectativas da platéia presente ao Rio Info 2008.

André Nunes disse que, neste momento, as regras finais do programa estão sendo elaboradas e a política adotada pela agência foi a de evitar comentários sobre a iniciativa, que deverá ser lançada pelo Presidente Lula até o final deste ano.

"Posso dizer que está sendo feito um trabalho muito cuidadoso para que as regras não prejudiquem quem queremos incentivar: as MPEs. Mas reitero: regras são necessárias, elas vão existir e serão cumpridas por nós e pelo mercado", completou.

 

 

(Fonte: Convergência Digital - 02/10/2008)

 

 

 

Mais notícias sobre recursos à inovação

Instituições Associadas

ABIFINA
ABIMO
ABINEE
ABIQUIM
ALANAC
FIEMG
IPD FARMA
SEBRAE